Mario Augusto-Especialista em Cinema. Entrevista do Clube SPM em Março
Clube Entrevista
Publicado a 01 de Março de 2014

Entrevista Clube SPM a Mário Augusto - Especialista em Cinema

Clube Entrevista SPM

Clube de Matemática SPM

Facebook Clube SPM


Entrevista a Mário Augusto – Especialista em Cinema


Mário Augusto é o convidado de março do clube spm. A 1 dia da apresentação de um dos maiores eventos do planeta, a 86ª edição dos "Óscares" (dia 2), fomos ouvir o maior especialista em cinema, com uma entrevista que fica em cartaz com um filme rodado em volta da infância, da escola, da matemática, que vai do cinema a Hollywood, passando pelos "Oscares", até pela grande paixão pelo que faz.
No mês do "Óscares", nesta entrevista Mário Augusto é candidato a ganhar a estatueta para melhor actor principal onde a matemática ganha o melhor argumento. Esta produção vai até si nesta geometria: 


Que desenho animado daria a sua infância?
Posso dizer que foi uma serena e calma produção, Eu era um puto muito pacato. É curiosa a pergunta porque efectivamente, eu desde que me lembro...sempre fui um apaixonado por desenhos animados, muito curioso por essa técnica de cinema e adorava os desenhos da Warner, aqueles que no final tinham sempre aquela legenda That´s All folks!. Desses eu gostava de ser o Bugs Bunny... Foi pelos desenhos animados que começou a minha paixão pelo cinema.

Que tipo de actor era o Mário Augusto na escola?
Sempre secundário, discreto e mesmo que não acreditem, era tímido e pouco dado a grandes protagonismos do género miúdo sabichão... 

 


A matemática na escola foi um filme com uma sinopse...
De Drama...negativa, sempre (sorri). As contas sempre foram a minha desgraça. Matemática foi a minha pior disciplina, eu tinha mais jeito para a escrita, para os desenhos. Curiosamente tinha e ainda tenho, uma relação muito curiosa e de simpatia com uma das minhas “prof´s” de matemática. Ou seja: não seria bom aluno, disso tenho a certeza mas esforçava-me ao ponto de  cimentar uma relação que perdura. Mas infelizmente não era fácil sair da negativa.

O professor(a) de matemática era visto por si como a personagem “Gru-o mal disposto” ou “Alice no País das Maravilhas”?  
Só “Gru...mal disposto”, não! Como a matemática era chinês para mim, as professoras tinham pena da minha incapacidade para a matéria. Tudo isto para vos dizer que a culpa era mesmo minha. A matemática não entrava, os professores bem se esforçavam...eu é que não dava para mais.

A aplicação dos quaterniões (conteúdo matemático descoberto no século XIX pelo matemático irlandês Sir William R. Hamilton) é responsável por uma grande evolução cinematográfica e nos jogos de computador. A Walt Disney unida à Pixar realizaram “Toy Story 1 e 2”, a “Bug´s Life”, “Nemo”, entre outros filmes que foram animados por quaterniões. Sabia que a matemática tinha sido a grande responsável por esta evolução?
Eu já desconfiava que aquilo tinha muita matemática mas daí a serem desenhos com quaterniões...essa não sabia. O digital , zeros e uns...sempre foi visto como o futuro para o cinema. O Copolla que foi dos primeiros a ver isso e chamava-lhe o cinema electrónico, quando rodou o filme “Do fundo do Coração”. Mas o principio dos quaterniões...veio modernizar toda a industria da criatividade e produção.




O Mário está sempre a 35 mm de Hollywood e das grandes estrelas. O que lhe trouxe esta “Janela Indiscreta”?
Um prazer enorme de ver histórias bem contadas em imagens e com bons desempenhos, boas imagens. Como atrás referi comecei pelos desenhos animados em espinho (onde vivo) quando era miúdo. Tudo começou lá num festival de cinema de animação, o “Cinanima”, foi aí que começou a minha paixão por cinema. Depois há uma grande grande dose de curiosidade em aprender mais, que me acompanha desde sempre e por isso cheguei ao 35mm e depois mudei para o digital com janela Indiscreta. A alusão ao programa é engraçada porque um e outro estão no ar ininterruptamente em vários canais há mais de 11 anos.

Alguma vez lhe apeteceu dizer “tirem-me deste filme...”!
No cinema sim...já fui a sessões em que só vejo metade e saio porque não me encantam. Na vida real e na profissão, por vezes apetece-me gritar alto essa frase mas como ponho paixão em tudo que faço acabo por conseguir dar a volta, desde que no final, fique alguma coisa, aprenda e possa dizer...eu diverti-me.

Existem filmes onde a matemática é o argumento. “Good Will Hunting” com Robin Williams e Matt Damon ou “Uma Mente Brilhante” com Russel Crowe sobre a vida do matemático Jonh Nash . A matemática pode ser um bom tema para um filme de sucesso?
Todas as matérias servem para bons filmes. A regra é sempre contar uma boa história com principio meio e fim. Não necessariamente por esta ordem (roubei a frase a Godard). Estes filmes são a prova que a matemática dá bons filmes mas há mais...




Um filme que seja o “Top Gun” dos filmes...
Para mim, os clássicos “ Citizen Kane”, “Casablanca” ou clássicos modernos como a saga de “O Padrinho". Mas é–me sempre difícil escolher apenas um, numa lista de dez estes estão lá certamente.

Um “Zoom”dos “Óscares” de 2014?
Eu gostava que ganhasse o Dicaprio, o Scorsese,  a Sandra Bullock e o filme poderia ser o Lobo de Wall Street. Mas não me parece que vá ser esta a opção da academia. São estes os meus principais favoritos. Mas os "Óscares" são um negócio e um jogo de lobby e publicidade, por isso ganham as campanhas e não os filmes ou protagonistas. Todos os que estão na lista de nomeados são boas produções, isso reconheço.




O matemático Isaac Newton disse “se eu vi mais longe, foi por estar de pé sobre ombros de gigantes”. Esta frase não define bem o profissional de cinema?
É bem verdade porque fazer um filme  genial depende de muita gente excelente, apaixonada pelo que faz na sua área. É essa  capacidade de fazer equação certa dos profissionais que depois resulta bem. Um bom realizador ou um bom ator não fazem sozinhos um grande filme. Há sempre gigantes desconhecidos no processo em quem eles se apoiam.

Fez 50 anos em março de 2013. A sua vida daria um filme porque…
Talvez, eu pelo menos gostava que fosse uma comédia romântica com final feliz e escrita com entusiasmo e prazer.


Por Carlos Marinho