Bits&Bytes por Alexandre Trocado
Clube de Matemática SPM - Eixos de Opinião dezembro de 2016
Publicado a 24 de Dezembro de 2016

                                                        


A cada dia, os computadores, a internet e mais recentemente os smartphones e os tablets ganham relevância. Neste espaço apresentarei mensalmente recursos que nos permitem lidar com a Matemática de uma forma dinâmica e inovadora. Todos os dias 25 de cada mês...


Alexandre Trocado - Professor de Matemática       


Bits&Bytes por Alexandre Trocado - Let's Code

Clube de Matemática SPM - Eixos de Opinião dezembro de 2016

Clube de Matemática SPM

Facebook Clube SPM


         Título: Let's Code



A escola actual baseia-se nas metodologias, no tipo de conteúdos e na organização do séc. XIX. Se pensarmos bem é difícil encontrar uma área da sociedade que ainda funcione de forma igual ao séc. XIX. 


Supostamente o professor marca o ritmo da aula introduzindo os conteúdos novos, os alunos ouvem, registam num caderno o que o professor escreve no quadro, e usam o livro como ferramenta de apoio. É este o dia-a-dia da grande maioria das aulas.


Uma das perguntas que faço frequentemente é: “de que forma este tipo de escola prepara os alunos para uma sociedade do séc XXI?”. As respostas que recebo frequentemente são: “os alunos não sabem o que é melhor para eles”, “não podem depender da tecnologia” ou “então vão aprender o quê?”.


Como é evidente ninguém pode ter a certeza de qual o caminho a seguir mas há pistas que podemos seguir para percebermos qual o caminho que a escola deve seguir se quisermos que haja mudança. 


No caso específico da Matemática, se há muitos anos fazia sentido ensinar o algoritmo para o cálculo da raíz quadrada de um número, porquê se abandonou? Não ficámos então dependentes da máquina desde que se abandonou o ensino do algoritmo da raíz quadrada? Este é apenas um dos exemplos que costumo fornecer.


É fácil constatar que as máquinas, os computadores, os robots e os sistemas automáticos são a base da nossa sociedade actual e não é possível pensar como seria viver sem estes.


Uma das pistas que a escola pode seguir é a preparação dos estudantes para a sociedade em que estão integrados, uma sociedade on-line, cheia de computadores e dispositivos móveis. E isso poderá ser feito através da programação. Actualmente, ensinar a programar faz tanto ou mais sentido como alguns factos pedidos aos jovens para decorarem.


Ensinar a programar é o objetivo do projeto inovador let’s code, a nova escola de programação para crianças que abre em Janeiro no Porto e tem como objetivo suprir esta lacuna do ensino em Portugal.