Descida aos Infernos por Carlos Marinho - contos de 3º grau-Episódio V
Contos de 3º Grau...
Publicado a 24 de Janeiro de 2017

Descida aos Infernos por Carlos Marinho nos contos de 3º grau - História 13/Episódio V

Contos de 3º Grau...

Clube de Matemática SPM

Facebook Clube SPM

Título: “Descida aos Infernos” - História 13

      Episódio I - Gonçalo F. Gouveia             Episódio II - José Carlos Santos                 Episódio III - José Veiga de Faria
      Episódio IV - Sílvio Gama.                      Episódio V - Carlos Marinho

    


Episódio I por Gonçalo F. Gouveia - Dia 1


Ler aqui.


Episódio II por José Carlos Santos - Dia 6


Ler aqui.


Episódio III por José Veiga de Faria - Dia 12


Ler aqui.


Episódio IV por Sílvio Gama - Dia 18


Ler aqui.


Episódio V por Carlos Marinho - Dia 24


Muitas horas depois, o relógio na entrada da faculdade batia as 18 horas. José Nélio atrasado sai do gabinete a olhar insistentemente para o seu relógio,  passando uma tangente à porta da casa de banho. Estava com muita vontade de ir aos lavabos mas como estava sem tempo, pensou em aguentar até chegar a casa. Mariel, por sua vez terminou uma aula de estatística. Bateu a porta  da sala e foi a correr em direção ao elevador. Elsione, também apressada  depois de engolir uma nata no bar da faculdade, correu em direção às escadas, aproximando-se do elevador. Como tinha acontecido de manhã, estavam os três juntos entrando de rompante no elevador. Nélio, ainda pensou em ir pelas escadas, mas depressa desistiu da ideia, uma vez que teria de dar uma volta que lhe roubaria pelos menos 3 minutos e um aumento exponencial do batimento cardíaco. Entretanto, pensou, qual seria a probabilidade de 8 horas depois, no mesmo elevador, acontecer algo parecido com o que tinha acontecido de manhã. Probabilidade quase zero. Nélio tomou a iniciativa e com o indicador direito carregou no botão do piso -1, seguido do botão de fechar a porta.


O elevador começou a sua marcha, com Elsione a dar uma gargalhada das suas dizendo: “E se o elevador parasse de novo como aconteceu de manhã”.


Aquela afirmação fez com que Nélio ficasse mais nervoso e com muita vontade, mesmo muita vontade de ir à casa de banho. De repente, ouve-se um enorme, ou melhor um gigantesco arroto mecânico, muito pior do que o de manhã. 


Era oficial, o elevador da faculdade parou de novo...


FIM