Intersecções por Daniela Gonçalves
Clube de Matemática SPM - Dezembro de 2017
Publicado a 08 de Dezembro de 2017

       




"Intersecções" é uma rubrica onde se apresentará o resultado de cruzamento(s) de vários assuntos ou de várias ideias, a partir das Ciências de Educação. O conjunto que resultará desta operação será um produto com uma leitura amplificada, integrada e sustentada pelo(s) argumento(s). 


 Daniela Gonçalves - Professora do Ensino Superior



Intersecções por Daniela Gonçalves - Ser Professor é Saber...                     
Clube de Matemática SPM - Dezembro de 2017                     

                      

Clube de Matemática SPM                     
Facebook Clube SPM 

Título: Ser professor é saber (e) aspirar mais alto


Todos os dias encontro professores fantásticos que dão muito de si e tentam fazer sempre mais e melhor. Todos os dias encontro professores apaixonados e entusiasmados por aquilo que fazem e, de certo modo, por aquilo que são. Sabem... e sabem ser! 

Todos os dias deparo-me com pessoas diversas e com uma diversidade de talentos. Todos os dias sou confrontada com múltiplos interesses e diferentes linguagens. Todos os dias questiono sobre o modo como buscar a excelência. 


Haverá uma fórmula? 

Se existir, não será certamente algo rígido que funcione para todos da mesma maneira. Acho que sobre este assunto não há regra. No entanto, poderemos considerar um elemento fundamental: a procura incessante. 

Todos os dias encontro professores que procuram incessantemente encontrar a melhor resposta para aquele aluno/a. Não têm receios de saber que ainda há muito a saber... Neste cenário, em particular, em saber como ensinar este/a aluno/a. Portanto, verifico de imediato uma intersecção curiosa: o saber como o desejo de saber mais; o saber implica esta procura constante, uma espécie de sede de mais conhecimento, porque se sabe que há ainda muito para saber.   

Temos chegado longe, mas ainda não o suficiente. Continuamos a pensar de uma forma demasiado limitada sobre nós próprios, quer enquanto indivíduos, quer enquanto espécie humana. Miguel Ângelo deixou-nos um importante ensinamento que, no meu caso particular, fez-me rever e rebobinar o meu percurso de professora: “o maior risco não é que as nossas aspirações sejam demasiado altas e não as consigamos concretizar, mas que sejam demasiado baixas e as alcancemos”. 

Temos que apontar e apostar alto e de possuir firmeza para sermos bem-sucedidos. Há que aspirar sempre mais e admitir a intersecção entre saber e saber mais. 

Aspirar mais alto, sendo difícil de alcançar, está disponível a todas as pessoas. Sublinho: aspirar mais alto está disponível a todos os docentes. A questão pendente é se somos capazes de transformar esta busca num hábito… Não será esta a essência da docência (com ciência)?

Ser professor significa exatamente isto. Ser professor, em meu entender, é uma arte de criar as oportunidades necessárias para que cada um descubra a sua paixão, o seu talento e fazer isso a sua (atitude) vida, procurando sempre saber, mesmo sabendo que nunca saberá tudo e haverá sempre mais para saber.