Entrevista com o matemático espanhol Eduardo Sáenz de Cabezón...
Clube Matemática da SPM - Clube Entrevista
Publicado a 01 de Fevereiro de 2018

Entrevista com o matemático espanhol Eduardo Sáenz de Cabezón...  

Clube Matemática da SPM - Clube Entrevista

Clube de Matemática SPM

Facebook Clube SPM   


Entrevista com o matemático espanhol Eduardo Sáenz de Cábezon...

(Tradução em espanhol)


 



Eduardo Sáenz de Cabezón, matemático, é um comunicador de excelência que liga as ciências ao humor através de histórias bem contadas. É doutorado em matemática pela Universidade de La Rioja, en Logroño e é professor de Sistemas de Informação Informática, Matemática Discreta e Álgebra na mesma universidade desde 2010. As muitas palestras dadas, por exemplo, ao TED denominada "Para que servem as matemáticas?" com um número de visualizações incrível, fazem dele um fenómeno na internet, onde refere através de uma metáfora que os teoremas são eternos, muito mais que os diamantes. Em exclusivo, da infância até á paixão pela matemática, da edição do seu livro inteligência matemática até às palestras que fascinam as plateias, aqui fica a entrevista com esta geometria...

Em poucos "cálculos", como foi a sua infância?
A minha infância foi muito calma e muito feliz, com uma família grande, estudos, desportos... Não tive muitos problemas na infância, lembro-me como um momento feliz e tranquilo.

A sua paixão pela matemática tem sua origem em que "referencial"?
Nunca tive uma paixão marcada pela matemática quando era criança, mas quando fiz o ensino secundário, aí sim, comecei a gostar muito, especialmente por causa da forma como ensinavam os meus dois professores, Emilio Fernández e Manuel Benito. Então eu comecei a carreira de matemática porque queria fazer algo relacionado a informática, e esse era o caminho na altura mais direto. Contudo, no primeiro ano, na cadeira de álgebra, quando descobri os teoremas do isomorfismo de Noether, fiquei entusiasmado com o poder do pensamento abstrato e, a partir daí, concentrei-me mais na matemática teórica, embora agora esteja a trabalhar na matemática bastante computacional. 

 


Ensina na Universidade de La Rioja, em Logroño. O que ensina em concreto?
Eu ensino vários assuntos ao nível da licenciatura e mestrado e agora estou orientando uma tese de doutoramento em álgebra comutativa. Ao nível do mestrado, os assuntos que eu ensino têm mais a ver com a computação (sistemas informáticos, programação, etc.)

É doutorado em Homologia de Koszul Combinatoria: Cálculos e Aplicações. Esta tese fala sobre...
A minha tese fala principalmente de ideais monomiais, que são objetos combinatórios dentro da álgebra comutativa. É uma área de trabalho muito bonita porque se juntam as ferramentas poderosas da álgebra combinadas com um tipo de trabalho combinatório muito explícito, que permite a criação de algoritmos, para programar a álgebra num computador e assim poder aplicá-la em outras situações. Uma das principais aplicações do meu trabalho é a confiabilidade de sistemas como redes, sistemas de comunicação, etc. Eu gosto de percorrer esse caminho das aplicações muito teórico-abstratas para as concretas.


Os matemáticos fazem um grande esforço para explicar que a matemática está em todo o lado. Para que serve a matemática?

Esta é uma pergunta que fazem muitas vezes aos matemáticos. É uma pergunta muito legítima que às vezes, no entanto, tem por trás uma intenção um pouco enganadora, como querendo dizer que não tem aplicação imediata com rendimento económico ou de outro tipo, logo não vale a pena, e eu não penso que é assim. É claro que, a matemática tem inúmeras aplicações em todos os ramos da ciência e da tecnologia, apenas um ignorante ou um tolo poderia negar isso. Mas também, a matemática é muito importante para nossas vidas pessoais, para adquirir rigor, saber valorizar as intuições que temos, poder enfrentar problemas através do uso da lógica, pela descoberta de padrões, a aplicação de regras e assim por diante.


Defende que um teorema é mais valioso do que um diamante. Por quê?

É uma metáfora com a eternidade. Os diamantes são geralmente colocados como um exemplo de algo durável que vai durar para sempre. No entanto, a eternidade é uma característica fundamental dos resultados matemáticos, os teoremas, em sentido estrito durarão mais tempo do que os diamantes, porque eles não dependem de um objeto físico.


 


Em 2016 editou o livro Mathematical Intelligence. De que fala este livro?
É um livro sobre matemática destinados a qualquer pessoa, tenha essa pessoa um gosto prévio para a matemática ou não, saiba um pouco de matemática ou não. Tento explicar de uma forma divertida e até mesmo engraçada, como pensam os matemáticos, o que se está fazendo em matemática, para que as pessoas percebam que existe mais matemática do que talvez pensassem. Todo mundo tem um "matemático interior" Depois, na segunda parte do livro, eu uso isso para fazer um tour pela presença de matemática em diferentes aspectos da vida, exercer um "olhar matemático" na vida diária. O livro tem tido muito sucesso em Espanha e na América Latina, foi traduzido em italiano e seria ótimo ver uma edição portuguesa.


O melhor matemático na história da ciência e o mais importante ramo da matemática?
Eu não acho que se possa estabelecer um ranking de matemáticos, problemas, ou comparar ramos da matemática por causa de sua importância. Mas para não fugir à pergunta, vou referir alguns dos meus gostos. Relativamente aos matemáticos, do mundo antigo tenho preferência por Arquimedes, que teve grandes intenções teóricas e práticas com um pensamento muito profundo. No período clássico, talvez Euler, que fez tantas coisas e se divertiu com a matemática, foi muito criativo. No período contemporâneo os meus favoritos são Emmy Noether e Alan Turing, provavelmente por causa da minha dedicação à álgebra computacional. E, nos ramos da matemática, os meus favoritos são a Álgebra e a Topologia, mas eu sempre gosto de aprender com outros ramos. A Teoria dos Números foi o primeiro ramo que me atraiu para o pensamento matemático.


O que faz no seu tempo livre?
O que eu gosto mais de fazer é de ler e correr. Eu tento ser rigoroso em ambos, deixando um tempo para ambas todos os dias, desde que possa.


 

 

É muito bom a dar palestras. Mistura a matemática com o humor. O que o fascina em estar com as pessoas a ouvi-lo?
Tudo. A principal coisa é o que se aprende a dar essas conferências. Aprendes muita matemática ao preparar a palestra uma vez que temos de entender a questão de diferentes maneiras para que se possa levar a um público mais amplo. E aprende-se muito também com as pessoas porque muitas vezes nos fazem perguntas muito interessantes, dão-te pontos de vista  dos assuntos sobre o qual não tinhas pensado. As reações são muito agradáveis, diferentes tipos de público que eu não não achava que poderia ser tão interessado em matemática. Isso é uma grande satisfação.


Quando vem a Portugal para dar uma palestra?
Eu adoraria. Eu nunca dei uma conferência em Portugal e é um país que me fascina, por isso estou disposto a ir para dar uma palestra em que eles existam interessados ​​(embora seja necessária tradução).


Alfred Renyi matemático disse que "quando estou infeliz trabalho matemática para ser feliz. Quando eu estou feliz, trabalho em matemática para me manter feliz." Eduardo, o que o faz feliz?
Concordo com Renyi com o poder da matemática para te fazer feliz. Trabalhar em matemática me encanta, mergulhar nos problemas e encontrar muita satisfação na solução e no processo que me conduz a ela, mesmo que não encontres. Mas eu tento não restringir a felicidade só à matemática, há muitas coisas que me fazem feliz: as pessoas que conheço, os meus passatempos, passeios pela natureza. Considero-me uma pessoa muito afortunada e muito feliz.


 Por Carlos Marinho