Contos de 3º Grau por José Veiga de Faria - 6ª História - Visita à Google - 4ª Parte

Contos de 3º Grau

6ª História - Visita à Google

 Dia 2 - Francisco Fernandes

Finalmente tinha chegado o mês há muito aguardado para João Gomes Teixeira, professor de matemática e a sua colega de história Júlia Leite de Vasconcellos.
Tinha ambos trabalhado, desde o início do ano, com os seus alunos, na preparação desta visita a Mountain View, onde iriam à sede da Google.
Se só a visita por si não bastasse, à espera deles e dos seus alunos estaria Emma Haruka Iwao, por isso a ansiedade era enorme, tanto mais que a sua chegada estava prevista para o dia 14 desse mês.

 Dia 6 - Carlos Marinho

A empresa fundada por Larry Page e Sergey Brin em 1996, era o objetivo central nesta visita. Porquê? Por que estes dois bilionários batizaram a sua empresa com o nome de Google, por causa da magnitude do número googol, quando ambos eram estudantes de doutoramento na Universidade de Stanford, na Califórnia, nos Estados Unidos. A matemática tem números fantásticos ignotos da maior parte das pessoas como é o caso do Googol. 
O googol é o número 10100 (o dígito 1 seguido de cem zeros). Em 1938, o matemático Edward Kasner, docente da Universidade de Columbia, pediu ao seu sobrinho Milton Sirotta com apenas oito anos, que inventasse um nome para dar a um número muito grande, mais precisamente à centésima potência do número 10 (a unidade seguida de 100 zeros). Um número muito grande mas não infinito.
Desde o surgimento da Terra, há aproximadamente 4,5 biliões de anos, ainda não se passaram um googol de segundos, nem um googol de milésimos de segundos, na verdade nem perto disso. O googol é "aproximadamente" igual ao 70! (fatorial de 70). 
O googol não tem qualquer utilidade prática a não ser como explicação da diferença entre um número muito grande e o infinito. Na verdade, ele está tão longe do infinito como o número 1. Agora esta visita tem grande utilidade, por que existe um aluno que vai assinar contrato com esta multinacional e não sabe...

  Dia 11 - Inês Guimarães

Todos sabiam que Gonçalo era de longe o aluno mais brilhante da turma. Duplamente medalhado nas Olimpíadas de Matemática e com um espírito de perseverança fora do comum, Gomes Teixeira sentia já não ter pedalada suficiente para acompanhar o rapazote. Escusado será dizer que ele se encontrava em êxtase total. Dentro de breves minutos iria conhecer Emma que, de forma computacional, foi capaz de determinar 31.4 biliões (3.14 x 1013) de dígitos do número pi. Uma cruzada que durou 121 longos dias e consumiu 170 terabytes de dados! A fatia de tarte (pie, em Inglês) que saboreou a 14/03/2019, dia em que anunciou ao mundo esta conquista, foi mais do que merecida. 
Ora, o fascínio de Gonçalo pela matemática estendia-se naturalmente à Ciência de Computadores, e o seu sonho era fazer progressos no célebre problema 'P vs NP'. Ainda assim, não seria ele a pessoa que no futuro iria trabalhar no “Googleplex”... 

 Dia 16 - José Veiga de Faria

Até que que chegou o momento. Sentiu uma mão amiga no ombro e uma voz muito calma que lhe disse ao aproximar-se:
- Então és tu o Génio da Companhia, e sorriu.
Gonçalo entupiu. Chegou a cadeira para trás para, simultaneamente, “fugir” e contemplar aqueles olhos muito azuis e penetrantes fixados nele.
Emma apercebeu-se e resolveu apertá-lo:
- Sei que tens interesse num tema muito ingrato: quanto mais génio fores, maiores problemas podes vir a trazer a este mundo já tão atrapalhado. Se fores a mente brilhante que imaginas e tiveres sucesso no problema que te interessa vais criar um problema à Humanidade verdadeiramente apocalíptico.
Os olhos do Gonçalo esbugalharam-se. Emma ficou à espera da reação.

 Dia 21 - Gonçalo Gouveia

 Dia 26 - Adília Gomes

Fim do Episódio

Publicado/editado: 21/03/2020