Linhas e Pontos por Carlos Marinho - Ter Visão (de Princesa)!

Eixos de Opinião de Abril de 2019

Carlos Marinho - Professor de Matemática e Coordenador do Clube de Matemática da SPM (Ver +)


Título: Ter Visão (de Princesa)!

A competência e a forma como alguns resolvem os problemas, deviam ser suficientes para ocupar os melhores lugares. Imagine que lhe pediam para selecionar 3 pessoas para ocupar 3 lugares numa grande empresa, será que o conseguia fazer? Como? Por amizade? Por laços familiares? Por competência?

Pablo Amster, um professor universitário usou num curso de matemática lecionado a um grupo de estudantes de Belas Artes uma bela história como o título “A mão da Princesa”.

Uma conhecida série checa de desenhos animados conta, em sucessivos episódios, a história de uma princesa cuja mão é disputada por um grande número de pretendentes.

Os diferentes 12 episódios mostram as tentativas de solução a que cada um deles recorre, das mais variadas e imaginativas maneiras.
Utilizando diferentes recursos, alguns mais simples e outros verdadeiramente magníficos, vão-se seguindo um a um os pretendentes, mas nenhum consegue comover, nem um bocadinho a princesa.

Recordo, por exemplo, um deles a mostrar uma chuva de luzes e estrelas; outro a realizar um voo majestoso e a preencher o espaço com os seus movimentos. Nada. No final de cada capítulo aparece o rosto da princesa chateado e aborrecido, sem qualquer expressão de alegria e satisfação.

O episódio que conclui a série proporciona-nos um final impensável. Em contraste com as maravilhas propostas pelos seus antecessores, o último dos pretendentes tira da sua capa, com humildade, um par de óculos, que entrega à princesa pedindo-lhe que os experimente. Esta coloca-os e fez-se magia. Sorriu e aceitou imediatamente casar com ele. A princesa era míope. 

Simples mas eficaz. Uns são míopes na escolha e a coisa fecha mais cedo ou mais tarde, outros fazem a escolha certa. Na nossa vida temos uma sucessão de problemas difíceis mas de resolução fácil que se nos colocam diariamente. Uns resolvem esses problemas com maior eficácia, num minuto, situações que outros podem estar uma vida a tentar resolver. A diferença está na pessoa, no seu conhecimento, na capacidade de chegar a uma resolução que ninguém viu ou vê. Porquê? As razões podem ser variadas, mas passam certamente pelo conhecimento, pela experiência, pelo pensamento lógico, pelo raciocínio, pelo trabalho. No fundo por serem melhores. 

Por isso, os melhores lugares, aos melhores, aos mais competentes, estes devem ser ocupados por quem sabe, Não por uma espécie de monarquia, mas que deve passar pela decisão real, pela “mão da Princesa”, por algo que eu chamo, deixem-me ver se me lembro…  competência!

Mas para que isto aconteça é preciso saber, estudar, trabalhar, vestir o "fato de macaco", perceber o que está fazer, trabalhar bem... ter visão (de Princesa).

Publicado/editado: 12/04/2019