O matemático português Francisco Gomes Teixeira nasceu em Viseu a 28 de Janeiro de 1851

Vida e Obra de...

Francisco Gomes Teixeira nasceu em Viseu a 28 de Janeiro de 1851. Fez o liceu em Lamego com distinção, seguindo para a Universidade de Coimbra onde se licenciou em Matemática. Enquanto estudava escreveu a sua primeira obra de matemática, intitulada de "Desenvolvimento das Funções em Fracções Contínuas", que mereceu o espanto e rasgados elogios dos seus professores e até de outros matemáticos que leccionavam fora da cidade de Coimbra, como foi o caso de Daniel Augusto da Silva (1814-1878). Gomes Teixeira doutorou-se em 1875 com a tese "A integração das equações às derivadas parciais de 2ª ordem". 

Desde muito novo, Gomes Teixeira manifestou grande preocupação com o isolamento científico nacional. Uma das medidas para o combater foi a fundação, em 1877, do Jornal das Sciências Mathemáticas e Astronómicas, que contou com a colaboração de alguns dos mais importantes matemáticos europeus da época, tais como o francês Charles Hermite (1822-1901) e o italiano Giusto Bellavitis (1803-1880). Em 1905, já Gomes Teixeira estava no Porto, o jornal deu origem aos Annaes Scientíficos da Academia Politécnica do Porto. Com a fundação da Universidade do Porto (e a consequente conversão da Academia Politécnica em Faculdade de Ciências), o periódico mudou uma segunda vez de nome, passando a chamar-se Anais Científicos da Faculdade de Ciências do Porto.

Em 1878 tornou-se membro da Academia Real das Ciências de Lisboa. No início do século XX, em 1921 recebeu o primeiro de dois doutoramentos honoris causa foram de Portugal, pela Universidade de Madrid e, dois anos volvidos em 1923 pela Universidade de Toulouse, o que confirmava o seu reconhecimento além fronteiras. Gomes Teixeira foi o matemático português mais prestigiado do seu tempo, a nível nacional e internacional. Distinguiu-se sobretudo nos campos da Análise Matemática, da Geometria e da História da Matemática.

Gomes Teixeira decidiu deixar Coimbra e ir viver para o Porto aos 32 anos. Como não havia Universidade na cidade do Porto, passou a ser professor da Academia Politécnica em 1884. As lições de Análise que ensinou estão na origem do Curso de Análise Infinitesimal, um tratado dividido em duas partes (a primeira com o título Cálculo Diferencial e a segunda com o título Cálculo Integral) publicado entre 1887 e 1892. O interesse que este livro despertou na comunidade matemática pode ser aferido pelas suas quatro edições. Mas o mais impressionante testemunho de reconhecimento da qualidade desta sua obra veio dos Estados Unidos, em 1904 pelo professor James Pierpont da Universidade de Yale:

"Ao usar este livro, senti-me permanente triste por a língua portuguesa não ser mais conhecida no nosso país. De outra maneira, esta obra admirável sobre o Cálculo gozaria uma popularidade generalizada entre nós."

A Real Academia de Ciências de Madrid atribuiu-lhe um prémio em 1897, pelo trabalho intitulado Tratado das Curvas Especiais Notáveis. Vinte anos mais tarde, a tradução desta obra para francês haveria de ser também premiada pela Academia das Ciências de Paris com o prémio Binoux (para a história da ciências).

Em 1911 foi fundada a Universidade do Porto e, ainda no mesmo ano, Gomes Teixeira foi eleito Reitor. Ocupou o cargo até 1917, sendo-lhe a partir dessa data atribuído o título de Reitor Honorário. Anos mais tarde, na antiga e imponente faculdade de ciências (em frente aos leões), no cimo das escadas  estava uma estátua de Gomes Teixeira, que aí ficou durante muitos anos até á atual mudança de instalações.

Nos últimos anos da sua vida, Gomes Teixeira publicou cinco livros de carácter muito diferente dos anteriormente mencionados: Panegíricos e Conferências (em 1925); Santuários de Montanha – Impressões de Viagem (em 1926); Apoteose de S. Francisco de Assis – sua vida e obra (em 1928); Uma Santa e uma Sábia – Clara de Assis e Sofia Kowalewsky (em 1930); e, por fim, Santo António de Lisboa – história, tradição e lenda (em 1931). O seu último livro, a "História das Matemáticas em Portugal", só foi publicado postumamente em 1934. 

Gomes Teixeira jubilou-se em 1929, por ter atingido o limite legal de idade para esse efeito. Muitas são as homenagens a um dos mais carismáticos e importante matemáticos portugueses de sempre. Estátuas e nomes de ruas podem se ver em Portugal em homenagem a este extrordinário investigador. Faleceu a 8 de Fevereiro de 1933 na cidade do Porto.

Publicado/editado: 28/01/2019