100 Problemas por José Paulo Viana
Clube de Matemática SPM - Eixos de Opinião dezembro de 2016
Publicado a 17 de Dezembro de 2016


100 Problemas por José Paulo Viana - Três portugueses debaixo de um guarda-chuva (sem contar com o morto)-Parte I

Clube de Matemática SPM - Eixos de Opinião dezembro de 2016                                                       

Clube de Matemática SPM


Título: TRÊS PORTUGUESES DEBAIXO DE UM GUARDA-CHUVA (SEM CONTAR COM O MORTO)-PARTE I

 



Rodolfo Walsh (1927-1977) é um escritor argentino de quem eu gosto particularmente e por muitos motivos. Dele falaremos com detalhe na próxima crónica.

O problema deste mês é um dos seus contos policiais e tem um pouco a ver connosco:

Três portugueses debaixo de um guarda-chuva (sem contar com o morto)


1
O primeiro português era alto e magro.
O segundo português era baixo e gordo.
O terceiro português era médio.
O quarto português estava morto.

2
- Quem foi?- perguntou o comissário Jiménez.
- Eu não - disse o primeiro português.
- Eu também não - disse o segundo português.
- Eu ainda menos - disse o terceiro português.

3
Daniel Hernández pôs os quatro chapéus sobre a secretária.
O chapéu do primeiro português estava molhado à frente.
O chapéu do segundo português estava seco no meio.
O chapéu do terceiro português estava molhado à frente.
O chapéu do quarto português estava todo molhado.

4
- Que faziam naquela esquina? - perguntou o comissário Jiménez.
- Esperávamos um táxi - disse o primeiro português.
- Chovia muitíssimo - disse o segundo português.
- Como chovia! - disse o terceiro português.
O quarto português dormia a morte dentro de seu grosso sobretudo.



5
- Quem viu o que aconteceu? - perguntou Daniel Hernández.
- Eu olhava para norte - disse o primeiro português.
- Eu olhava para leste - disse o segundo português.
- Eu olhava para sul - disse o terceiro português.
O quarto português tinha morrido. Morreu olhando para oeste.

6
- Quem segurava no guarda-chuva? - perguntou o comissário Jiménez.
- Eu não - disse o primeiro português.
- Eu sou baixo e gordo - disse o segundo português.
- O guarda-chuva era pequeno - disse o terceiro português.
O quarto português não disse nada. Tinha uma bala na nuca.

7
- Quem ouviu o tiro? - perguntou Daniel Hernández.
- Eu sou curto de vistas - disse o primeiro português.
- A noite estava escura - disse o segundo português.
- Trovejava e trovejava - disse o terceiro português.
O quarto português estava bêbado de morte.

8
- Quando viram o morto? - perguntou o comissário Jiménez.
- Quando acabou de chover - disse o primeiro português.
- Quando acabou de trovejar - disse o segundo português.
- Quando acabou de morrer - disse o terceiro português.
Quando acabou de morrer.

9
- Que fizeram então? - perguntou Daniel Hernández.
- Eu tirei o chapéu - disse o primeiro português.
- Eu descobri-me - disse o segundo português.
- As minhas homenagens ao morto - disse o terceiro português.
Os quatro chapéus sobre a mesa.

10
- Depois, o que fizeram? - perguntou o comissário Jiménez.
- Um amaldiçoou a sorte - disse o primeiro português.
- Um fechou o guarda-chuva - disse o segundo português.
- Um trouxe-nos correndo - disse o terceiro português.
O morto estava morto.

11
- Foi você que o matou - disse Daniel Hernández.

(…)

O conto não acaba aqui, mas nós interrompemo-lo e desafiamos o leitor:


Qual dos três portugueses Daniel Hernández acusou de assassínio? E porquê?


No próximo mês, publicaremos o final do conto e faremos uma breve resenha da vida e da obra de Rodolfo Walsh.