O matemático francês Legendre nasceu a 18 de setembro de 1752...
Clube de Matemática SPM - Símbolos & Figuras
Publicado a 18 de Setembro de 2017

O matemático Adrien-Marie Legendre nasceu em França em 18/9/1752...

Clube de Matemática SPM - Símbolos & Figuras por Carlos Marinho

 

Clube de Matemática SPM

Facebook Clube SPM

O matemático Adrien-Marie Legendre nasceu em França...



O matemático Adrien-Marie Legendre nasceu em França a 18 de setembro de 1752, no seio de uma família rica. É um dos mais relevantes matemáticos franceses.


Legendre fez diversas contribuições em matemática nos domínios da estatística, teoria dos números, álgebra abstrata e análise matemática.    

Beneficiou de uma educação de qualidade no Collège Mazarin em Paris, por ter nascido no seio de uma família com possibilidades financeiras. Realizou a sua tese em Física e Matemática em 1770. De 1775 a 1780, lecionou na École Militaire, também em Paris.                                

Em 1783, tornou-se membro adjunto da Académie des Sciences, dois anos depois professor associado. Durante a Revolução Francesa, em 1793, perdeu toda a sua fortuna pessoal. Com dificuldade reagiu a estes problemas, desenvolvendo de novo os seus negócios com a ajuda de sua esposa, Claudine Marguerite-Couhin, com quem se casou no mesmo ano.      

  

Legendre é conhecido por ser o autor de Éléments de géométrie, que foi publicado em 1794. Este texto viria a tornar-se fundamental para outros matemáticos no estudo desta temática durante mais de 100 anos. Conseguiu reorganizar e simplificar muitas das proposições dos elementos de Euclides criando-se um livro mais perceptível e eficaz.


Legendre foi homenageado pelo trabalho desenvolvido ao longo da sua vida de uma forma singular (criou o símbolo de Legendre usado em Teoria dos Números) sendo um dos 72 nomes inscritos na Torre Eiffel (com a inscrição número 17). 


Morreu em Paris em 9 de janeiro de 1833 com 80 anos de idade, após uma longa e dolorosa doença. 


                                                                                        Por Carlos Marinho