Linhas e Pontos por Carlos Marinho - Quem recusa 1 milhão de dólares?

Notícias Clube SPM

Carlos Marinho - Professor de Matemática e Coordenador do Clube de Matemática da SPM (Ver +)


Título: Quem recusa 1 milhão de dólares?

A maior descoberta científica de 2006, segundo a revista “Science” foi na área da Matemática. A prova da Conjetura de Poincaré. O problema foi resolvido pelo matemático russo Grigori Perelman, um século depois de ter sido formulado pelo matemático francês Henri Poincaré. Recorde-se que Perelman foi premiado com a Medalha Fields 2006 por ter alcançado a solução para o problema que durante tanto tempo atormentou cientistas de todo o mundo. 

Curioso, foi ter recusado o prémio afirmando ser completamente irrelevante para ele a sua obtenção. A Conjetura de Poincaré é uma das questões centrais da topologia, uma área da Matemática que estuda as propriedades geométricas de objetos que não mudam quando são distorcidos, esticados ou encolhidos.
Grigori Perelman nasceu em São Petersburgo, na Rússia, em 1966, faltou à entrega de um prémio de um milhão de dólares do Instituto de Matemática Clay, nos Estados Unidos.

"Não posso explicar a escolha dele, mas respeitámo-la. Ele (Perelman) não quer que interfiram na sua vida privada", declarou James Carlson, diretor do instituto. A organização pretendia agraciá-lo com um milhão de dólares, quantia prometida a quem resolver um dos "problemas do milénio".

Esta não é a primeira vez que o matemático russo recusa prémios e fama pelo seu trabalho. Em 22 de Agosto de 2006, no Congresso Internacional de Matemáticos, realizado na capital espanhola, em Madrid, Perelman foi contemplado com a Medalha Fields, prémio apelidado como o "Nobel da Matemática", tendo recusado de forma categórica o prestigiado prémio.

O matemático, que vive em condições modestas em São Petersburgo, é sobejamente conhecida a sua recusa em falar com a Imprensa mundial e a participar em quaisquer sessões públicas.

"O prémio é completamente irrelevante para mim",

referiu, numa rara entrevista concedida à revista "The New Yorker", aquando do episódio ocorrido em 2006.

"Qualquer pessoa entende que, se a demonstração estiver correta, não é necessário nenhum outro reconhecimento",

rematou o matemático.

Aos 52 anos de idade, Perelman é um dos maiores matemáticos e cientistas vivos da atualidade que ficará duplamente imortalizado na história da ciência pela prova extraordinária da Conjetura de Poincaré mas também por ter recusado 1 milhão de dólares.

Quando é que Perelman quererá receber um prémio pelo seu trabalho e carreira? A resposta a esta pergunta poderá valer 1 milhão de dólares.

Publicado/editado: 10/05/2019